As “boas ondas” da praia do Rodanho tem proporcionado “boas” exibições dos atletas no EuroSurf Adaptive 2019, que se realiza pela primeira vez nas praias vianenses.

Em termos de exibições e de liderança nas respetivas categorias em competição, destaque para o espanhol Marcos Tapia, que soma um total de 16,84, mantendo-se na liderança em AS4, e registando o total mais alto da geral; Nuno Vitorino continua a liderar em AS5, agora com 16.67; a francesa Kattel Ropert continua a distanciar-se, somando, 14.83 em AS5; o francês Eric D’Argente, em AS2, conseguiu reagir com uma ótima exibição ao resultado de ontem do galês Llywelyn Williams, registando um total de 14.17; o espanhol Aitor Francescena continua a liderar a AVSI, agora com 13.66; a vianense Marta Paço também se mantém na liderança da ASVI Ladies, somando 13.34; e o português Camilo Abdula também segue a liderar a AS1, agora com 12.33.

Marta Paço, que no final do heat em ASVI Ladies voltou a fazer a sua melhor onda, estava feliz com a sua exibição.

Hoje, também se realizaram sessões livres de surf adaptado. Desta vez os beneficiários, que foram utentes da Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental de Viana do Castelo, puderam experimentar surf pela primeira vez e ainda tiveram oportunidade de apoiar a Marta Paço e de conviver com outros competidores do 1st European Adaptive Surfing Championship.

O International Adaptive Surf Congress de hoje, subordinado ao tema “Living a life of purpose”, juntou, no Centro de Alto Rendimento de Surf de Viana, quatro profissionais de vários países, que falaram sobre os benefícios do surf e sobre o impacto positivo que a modalidade pode desempenhar, ao longo do tempo, na vida das pessoas.

Heather David e Maureen Johnson, da University of St. Augustine, na Califórnia, partilharam conhecimentos sobre os benefícios do surf na saúde e no bem-estar das pessoas. Falaram sobre o “power of occupation of surfing” e ainda do surf como terapia ligada ao ciclo da saúde; Bruno Silva, da Escola Superior de Desporto e Lazer e do Surf Clube de Viana, explicou que o propósito do CAR Surf de Viana, na estratégia de desenvolvimento do surf para a vida, é baseado em parcerias e na investigação, visando fazer deste um exemplo de referência na investigação e no desenvolvimento do surf; e Amanda Witko, fisioterapeuta voluntária na associação Acess Surf, no Havai, e também treinadora da equipa de surf adaptado local, mostrou, com recurso a vídeos, exemplos de boas práticas do programa de surf adaptado, da prevenção de lesões e ainda do treino e avaliação da capacidade funcional dos atletas desta organização, na qual é voluntária.

Amanhã, a partir das 16h continua o congresso, no Centro de Alto Rendimento de Surf. O tema em debate será Accessible, tourism and sustainability e terá entre os seus oradores: Ricardo Carvalhido, vereador do Ambiente e Biodiversidade, Ciência, Inovação e Conhecimento na Câmara Municipal de Viana do Castelo; Goretti Silva (Escola Superior de Tecnologias e Gestão, do Instituto Politécnico de Viana do Castelo); Renato Bentes (Surf Clube de Viana); e Afonso Teixeira (Sustainable Tourism & Outdoors Kit for Evaluation – STOKE).

O 1º Campeonato Europeu de Surf Adaptado tem organização do Surf Clube de Viana, em parceria com a Federação Europeia de Surf, a Federação Portuguesa de Surf, a Federação Portuguesa de Desporto para Pessoas com Deficiência, o Instituto Português do Desporto e Juventude, o Comité Paralímpico de Portugal e a Câmara Municipal de Viana do Castelo.