O mês de agosto chegou, com o verão ao rubro e temperaturas que convidam a eventos ao ar livre. No concelho de Caminha, ocasiões não vão faltar ao longo destes 30 dias, com a música em primeiro plano, onde se destacam o EDP Vilar de Mouros, que estará de regresso de 25 a 27. Antes, já dentro de poucos dias, regressa também o Sonic Blast, é na próxima semana. Mas ainda antes dos dois festivais, já esta quarta-feira, acontece a primeira de “4 Quartas de Jazz”. Em agosto continua também o Festival Vilas People, com a Orquestra na Praça, Tiago Garrinhas e Rui Massena. A lista já vai longa, mas estas são apenas algumas das propostas da Programação Cultural que o Município de Caminha preparou para agosto.

Com a retoma da normalidade a nível sanitário, o concelho de Caminha está a viver um verão em pleno, com eventos de grande qualidade que têm atraído milhares de pessoas, contribuindo ao mesmo tempo para a dinamização da economia.

Nos dias 03, 10, 17 e 24 acontecem as “4 Quartas de Jazz”. Quarta-feira o encontro com “Let a Jam Roll” – Sexteto R&B (Bateria, Piano, Baixo, Guitarra, Sax, Voz), está marcado para o Largo Calouste Gulbenkian, em Caminha.

Ainda na música, Vilas People regressa a Vila Praia de Âncora a 07 de agosto para um concerto da Orquestra Filarmónica de Braga. Está de volta a Caminha, ao Largo Calouste Gulbenkian, no dia 18 de agosto, com Tiago Garrinhas – artista com raízes na vila e que contará com a participação de alguns convidados.

Dois dias depois é a vez do maestro e pianista Rui Massena, autor de algumas das composições mais bonitas escritas nos últimos tempos, subir ao palco, também no Largo Calouste Gulbenkian, em Caminha.

Este festival encerra a 03 de setembro, no Forte da Lagarteira, em Vila Praia de Âncora, com Noble, autor de sucessos como Honey ou Beautiful. Todos os concertos são gratuitos e decorrem em espaços emblemáticos, ao ar livre.

Além da programação preparada para este mês, continua na Serra d’Arga a Arte na Leira. “O Fracasso da Gravata” é o título da obra que, à entrada da Casa do Marco, dá as boas vindas aos visitantes. A 24.ª edição arrancou a 23 de julho, mas a mostra que há 24 anos, ininterruptamente, transforma a Casa do Marco e a sua leira, em Arga de Baixo, numa galeria de arte moderna, fica por lá até 21 de agosto, para aquelas visitas informais impossíveis noutras galerias, em plena Serra d’Arte, com toda a magia da serra como cenário.

Mantém-se também, ao longo de todo o mês de agosto e até 30 de setembro, “Mordomas”, da autoria da artista Cristina Rodrigues. Trata-se de um documentário e instalação de Arte Contemporânea sobre as danças populares e rituais de Caminha, Badajoz e Huelva, no Âmbito do Projeto PA2. Touring Cultural – Identidade Cultural do Minho – Apoio ao Processo de Valorização dos Caminhos de Peregrinação. Está no Museu Municipal de Caminha.