“Não à mina, sim à vida” era um dos gritos entoados na manhã deste sábado, dia 14 de fevereiro, em Viana do Castelo. Uma criança de sete anos, que transportava um bombo ao peito gritava estas palavras ainda antes da manifestação se iniciar às 9h50 junto do edifício da Agência Portuguesa do Ambiente – Administração de Região Hidrográfica Norte.

Percorrendo algumas das artérias principais da cidade, os manifestantes seguiam um grupo de concertinas e bombos, que abriam caminho a quatro centenas de manifestantes, segundo a organização. Carlos Seixas, do Movimento SOS Serra d`Arga manifesta, no final, em plena Praça da República, muita satisfação pela adesão das pessoas. “Estou hiper emocionado. Não imaginava tanta participação”, acrescentando que “este é o primeiro passo de uma nova etapa. A partir de agora não há forma de o Governo continuar com o projeto, porque nós vamos resistir e defender o mundo rural”.

“Não vamos permitir que se faça um único buraco na Serra d´Arga”, gritava o líder do Movimento SOS Serra d´Arga antes do início da manifestação, que contou com a presença de vários agentes da PSP, que cortaram algumas artérias para a passagem dos manifestantes, que contestam a mineração de Lítio nas regiões do Minho e Barroso.

A manifestação foi organizado pelo Movimento SOS Serra d’Arga, Corema – Associação de Defesa do Património/Movimento de Defesa do Ambiente e Património do Alto Minho, SOS Terras do Cávado, SOS Serra da Cabreira e Em Defesa da Serra da Peneda Soajo.