A recém criada empresa de gestão de água em sete dos 10 municípios do alto Minho vai investir nas próximas três décadas perto de 300 milhões de euros.

A Câmara Municipal de Viana enviou um comunicado às redações para contestar o que tem circulado nas redes sociais nos últimos dias em relação à Águas do Alto Minho (ADAM). “Tem circulado nos últimos dias nas redes sociais informações que não correspondem à verdade quer quanto à constituição da Empresa Águas do Alto Minho, quer quanto aos objetivos da sua fundação quer ao seu regime tarifário em vigor, procurando a desinformação e a confusão”, refere fonte municipal.

A nota acentua que a ADAM é uma empresa 100% pública. “51% capital do acionista Estado, através das Águas de Portugal, e 49% capital dos sete municípios acionistas aderentes”.

Viana do Castelo, Ponte de Lima, Arcos de Valdevez, Paredes de Coura, Valença, Vila Nova de Cerveira e Caminha são os municípios que aderiram à ADAM, cuja gestão entrou em funcionamento no início deste ano.

Nestes últimos meses tem surgido muita contestação àquela empresa, estando a decorrer uma petição pública para a extinção da mesma.

Fonte municipal esclarece que com a gestão da ADAM “vamos melhorar a qualidade do serviço nos sete municípios, vamos reduzir as perdas de água”.

Uma das contestações à ADAM prende-se com o aumento do preço da água até no concelho de Viana do Castelo, onde já era praticado o tarifário mais alto e serviria como referência. A esta crítica respondem: os “tarifários praticados no Município de Viana do Castelo seriam ligeiramente inferiores não fosse a obrigatoriedade legal de aplicar IVA de 6% no saneamento na empresa ADAM”. Adiantando que “mesmo com a aplicação do IVA na fatura atual (que inclui abastecimento de água, saneamento e resíduos sólidos), acrescem apenas em 0,02%, face aos tarifários de dezembro de 2019”.

“Reafirmamos a nossa solidariedade e apoio ao trabalho que está a ser efetuado pelos trabalhadores dos sete municípios, cedidos à ADAM, que com dedicação, vencem diariamente as dificuldades de um processo novo, conjuntamente com a administração e estão a dar o seu melhor na montagem de um projeto que beneficia os cidadãos do Alto Minho”, explica a autarquia vianense.