Maria Assunção Flores, da Universidade do Minho, é a primeira portuguesa galardoada com o Prémio de Investigação do Conselho Internacional de Educação para o Ensino (ICET), devido ao relevo dos seus projetos sobre a formação e o trabalho dos professores. A investigadora foi laureada na 63ª Assembleia Mundial do ICET, em Joanesburgo, África do Sul, recebendo um diploma e um convite para apresentar o seu trabalho na próxima Assembleia da entidade, prevista para 2020 no Reino Unido.

“Este prémio de mérito/carreira é um dos mais prestigiados na área e tem um significado especial, pois representa o reconhecimento internacional do meu trabalho e é uma motivação acrescida para continuar esta linha de investigação com colegas e instituições de outros países, contribuindo para a meta ‘Educação de qualidade’ da Agenda 2030 do Desenvolvimento Sustentável da ONU, que tem na formação de professores um dos fatores decisivos para a sua concretização”, refere Assunção Flores.

O “ICET Research Award” foi instituído em 1986 e reconhece anualmente investigação com impacto para o conhecimento base da formação docente a nível mundial. O ICET nasceu há 65 anos, está sediado nos EUA e visa melhorar a qualidade da educação no planeta, através da cooperação internacional e de programas entre países desenvolvidos e em desenvolvimento. O organismo junta mais de 50 países, desde académicos, administradores, decisores e até ministérios de Educação, tendo parcerias importantes como a UNESCO. Pretende ser um fórum de informação e discussão de questões e tendências na educação a nível global, através de redes, parcerias, publicações e da assembleia anual.