Inaugurada no Dia Mundial dos Oceanos, a instalação artística de cerca de 400m2 “Ilhas de Plástico” de Acácio de Carvalho pode ser contemplada em pleno Rio Minho, na marina da Praia da Lenta em Vila Nova de Cerveira. A obra pretende sensibilizar o público para a redução e prevenção de plásticos nos rios e oceanos e integra o projeto “LowPlast – a arte de reduzir o plástico”, financiado pelos EEA Grants.

Trata-se de uma intervenção artística site specific criada a partir de desperdícios de plásticos. Com a assinatura do artista Acácio de Carvalho, a obra é composta por 24 calotas esféricas de grande dimensão (cerca de 32 m3 cada uma) e pode ser visitada até final do Verão, na Praia da Lenta.

Segundo o autor, Acácio de Carvalho: “a vocação expressiva dos agentes poluidores também podem servir para chamar a atenção dos efeitos nocivos dos plásticos. Pode parecer uma contradição, mas é só aparente. A arte é um sortilégio”. Para além de chamar a atenção do público para a questão ambiental, “a própria localização da instalação, perto da margem e da visão do público, visa extravasar a arte dos espaços tradicionalmente usados e ainda promover a utilização de lugares alheios a propósitos museológicos e similares concorrendo, assim, para a promoção e dinamização artística e cultural”.

A elaboração das peças contou com o apoio de alguns amigos e artistas do autor, como Lúcia Nunes e Daniela de Carvalho.

A intervenção surge no âmbito do projeto “LowPlast – a arte de reduzir o plástico”, promovido pelo Aquamuseu do Rio Minho – Município de Vila Nova de Cerveira, em parceria com a Fundação Bienal de Arte Cerveira, a Associação Portuguesa do Lixo Marinho e o Instituto Interdisciplinar de Artes – DTK (Noruega), financiado pelos EEA Grants. O projeto engloba, ainda, ações de monitorização, disseminação de boas práticas e criação de elementos artísticos, no qual se enquadra a participação da Fundação Bienal de Arte de Cerveira.

Recorde-se que Acácio de Carvalho foi premiado na Bienal Internacional de Arte de Cerveira em 2001 e tem vindo a colaborar com a Fundação Bienal de Arte de Cerveira na criação de projetos artísticos de grande escala, como em 2018 a obra “Assalto ao Castelo” em Vila Nova de Cerveira e, em 2019, a pintura de um mural na vila de San Sperate (Sardenha, Itália).