A Câmara Municipal de Viana do Castelo está a estudar, com a equipa projetista, uma proposta de alteração à obra dos acessos ao porto de mar. A alternativa, apresentada pela Associação de Moradores do Cabedelo implica o não abate de até 12 plátanos.

A informação foi avançada pelo autarca vianense. “O assunto foi discutido numa assembleia da Associação e um dos sócios apresentou uma proposta, com alguma fundamentação, que estamos agora a avaliar do ponto de vista da sua exequibilidade”, afirmou, á agência Lusa, José Maria Costa.

No dia 14 de setembro seria iniciada a construção da rotunda [ver foto] na Avenida do Cabedelo, no entanto, alguns moradores daquela zona impediram que as árvores fossem abatidas. A autarquia vianense decidiu suspender a obra até final de setembro. Ontem, o autarca vianense dava mais alguns dias para ser estudada a alternativa.

No dia 06 de outubro voltará a reunir com a associação de moradores e será comunicada a decisão.

“Quando recebemos a associação de moradores, recebemos com boa-fé. Para explicar a importância desta via, não só para o porto de mar, mas para toda a mobilidade da zona sul do concelho. Estivemos sempre numa perspetiva construtiva, de encontrar soluções dentro do razoável”, frisou o autarca socialista.

Aquando da reunião extraordinária do Executivo Municipal, realizada a 18 de setembro, José Maria Costa admitia que o projeto não poderia ser alterado. Esta solução apresentada é, segundo o autarca, “uma ligeira alteração da inserção da rotunda na antiga Estrada Nacional 13-5”, acrescentando que “não fere o projeto, é um pequeno ajuste, e vamos procurar concretizar. Só estamos à espera do parecer técnico da equipa projetista”.

A proposta apresentada pela Associação de Moradores do Cabedelo permite que a rotunda fique “descentrada em relação à avenida e com essa solução viária reduz-se o abate de plátanos, em cerca de 10 a 12. Parece-me interessante, mas estamos a avaliar. Se for tecnicamente adequada e não ferir ou colocar em causa a segurança rodoviária, naturalmente que irei falar com a administração portuária  no sentido de a viabilizarmos”, frisou o autarca.