Eram 8h10 quando uma carrinha de caixa aberta entrou no número 59 D, que é uma das garagens do prédio Coutinho.

Poucos minutos depois entraram cerca de sete homens pela dianteira do prédio e ouviram-se diversas marretadas no interior. No exterior, a perceção é que os golpes de marreta estão a ser dados nos apartamentos desabitados colados aos que ainda têm moradores.

Uma equipa dos Bombeiros Municipais já estiveram no local para prestar assistência, mas saíram ser levar ninguém.

Recorde-se que desde ontem, dia 27 de junho, a eletricidade foi cortada nas frações e o elevador está sem funcionar. Os familiares já não podem entrar nem enviar alimentação ou qualquer outro bem.

Recorde-se que a ação de despejo dos últimos moradores no prédio estava prevista cumprir-se às 9 horas de dia 24 de junho, na sequência de uma decisão do Tribunal Administrativo e Fiscal (TAF) de Braga, de 29 de abril, que declarou improcedente a providência cautelar movida pelos moradores em março de 2018.

O Edifício Jardim tem desconstrução prevista desde 2000 ao abrigo do programa Polis. Para o local onde está instalado o edifício está prevista a construção do novo mercado municipal da cidade.