Desde o início de junho, a Unidade Local de Saúde do Alto Minho (ULSAM) iniciou, de forma “gradual e monitorizada” o reagendamento e realização da atividade assistencial suspensa nos CSP, com a retoma da atividade clínica presencial programada, sem prejuízo de manter uma pronta resposta à abordagem da pessoa com sintomas suspeitos ou doença confirmada para Covid-19.

Em comunicado, fonte da ULSAM explica que “os Centros de Saúde CSP da ULSAM mantiveram sempre o acompanhamento clínico da sua população em todo o seu horário de funcionamento, mesmo durante o período mais crítico da pandemia, com a necessária reorganização de serviços, de forma a garantir uma assistência mais dedicada e diferenciada à Covid-19, cumprindo as orientações e normas da DGS”.

“Privilegiando a atividade assistencial não presencial através do atendimento telefónico qualificado e de outras soluções em telesaúde”, os centros de saúde têm “garantido o atendimento presencial em áreas consideradas prioritárias como a resposta à doença aguda e à doença crónica não controlada; vigilância de saúde materna, saúde infantil e planeamento familiar; cumprimento do plano nacional de vacinação; cuidados de enfermagem para tratamentos inadiáveis e cuidados domiciliários a utentes crónico-dependentes, garantindo, ainda, a realização de tratamentos, rastreio metabólico ao recém-nascido e visita no domicilio”.

O atendimento presencial realizado no espaço físico da Unidade Funcional está a ser devidamente requalificado para poder ser retomado em segurança. Assim:

  • Toda a atividade presencial, incluindo a resposta às situações agudas, deve ser pré agendada, pelo telefone.
  • Deve ser promovido o contato telefónico prévio do utente com a sua Unidade Funcional, evitando que recorra por iniciativa própria, de forma a aferir a necessidade de consulta presencial, com oportunidade para hora marcada.
  • Todos os pedidos de marcação de consulta médica e de enfermagem, por iniciativa do utente, deverão ter contacto telefónico prévio por parte do respetivo profissional, de forma a aferir a necessidade de consulta presencial.

 

O plano de retoma inclui, ainda, o reforço da visita domiciliária para grupos vulneráveis e de risco, avaliando e priorizando nesta fase não só pela estratificação do risco (domicílio dos doentes dependentes, idosos, isolados e com um conjunto de comorbilidades que os coloquem em maior risco) mas também pela distancia do domicilio do utente à sede do Centro de Saúde com limitação de transportes, criando novas respostas em proximidade, nomeadamente para os utentes inscritos em polos e extensões, temporariamente encerradas, por questões de segurança.

Mantendo-se como preocupação da ULSAM a prevenção e o controle da infeção por SARS-CoV-2 e a segurança de todos os profissionais e utentes, deve a população respeitar as seguintes medidas, aquando da sua deslocação às unidades de saúde do distrito de Viana do Castelo:

  • Colaborar na identificação de sintomas suspeitos para COVID-19, no ato de triagem clínica feita pelos profissionais de saúde à entrada;
  • Efetuar a lavagem/desinfeção das mãos à entrada e saída da unidade de saúde;
  • Circular no interior do(s) edifício(s) obrigatoriamente com utilização de máscara cirúrgica;
  • Cumprir os circuitos definidos para o utente e distanciamento de segurança nas zonas de espera, em cada unidade funcional;
  • Só é permitida a entrada de um acompanhante no caso de crianças ou utentes com incapacidade;
  • Contactar previamente por telefone a sua unidade funcional evitando recorrer por iniciativa própria à unidade de saúde;
  • Cumprir rigorosamente o horário de marcação.