Amanhã, dia 20 de Julho, às 11h, o Espaço MIRA acolhe a apresentação oficial do MDOC Festival Internacional de Documentário de Melgaço, com a divulgação do programa completo do festival. A sétima edição do festival vai decorrer de 02 a 08 de agosto e, este ano, o Prémio Jean Loup Passek conta com 31 documentários a concurso: 19 longas-metragens e 12 curtas e médias metragens, sendo que nove dos documentários selecionados concorrem também na categoria de melhor documentário português. Todos os filmes concorrem também ao Prémio D. Quixote, atribuído pela FICC – Federação Internacional de Cineclubes.

O MDOC abre pela primeira vez em 2021 um concurso de cartazes de filmes, de produção portuguesa ou galega, com data de produção posterior a 01 de janeiro de 2018.

Além do Prémio Jean Loup Passek, a programação inclui o curso de Verão Fora de Campo, as residências Cinematográfica e Fotográfica Plano Frontal, exposições, apresentação de filmes e ainda debates com vários realizadores nacionais e internacionais. É de destacar que durante a semana também vai decorrer a oficina de Verão TRABALHO, lecionada pelo realizador Pedro Costa, que resulta de uma colaboração com La Plantación – Encuentros e Conocimiento. O MDOC acontece com a maioria das atividades presencialmente, respeitando todas as regras da DGS.

A apresentação do MDOC estará a cargo de Carlos Eduardo Viana, diretor do festival, Manoel Batista, presidente da Câmara Municipal de Melgaço, José da Silva Ribeiro, coordenador do curso de verão Fora de Campo, Patrícia Nogueira coordenadora do Kino Meeting, João Gigante, ator do projeto fotográfico Estar e Voltar, Bernard Despomadères, curador da exposição O Passador de Imagens do Centro Pompidou e Daniel Maciel, coordenador do evento Arquiteturas Tradicionais e responsável pela Fotomemória do projeto Quem Somos os Que Aqui Estamos.

Sobre este último projeto em particular e à semelhança dos anos anteriores, uma equipa da AO NORTE, entidade organizadora do festival, tem produzido um estudo minucioso sobre as gentes de Melgaço, focando-se a cada ano numa parte do território do município. O projeto Quem Somos os que Aqui Estamos, coordenado por Álvaro Domingues e produzido por Rui Ramos, conta com a colaboração de Albertino Gonçalves, do antropólogo Daniel Maciel, do fotógrafo João Gigante, e da equipa de audiovisual composta por Carlos Eduardo Viana, Miguel Arieira e Daniel Deira. Nesta edição do festival será altura de conhecer os resultados do trabalho produzido nas freguesias de Castro Laboreiro e Lamas de Mouro. O projeto conta ainda com um trabalho da realizadora Tânia Dinis.

O MDOC vai associar-se, nesta sétima edição, à comemoração do 25º aniversário do Dia do Brandeiro, festa que celebra a transumância e é uma homenagem aos construtores da comunidade agropastoril da Branda da Aveleira. O programa inclui a projeção de um documentário, um debate sobre arquitectura popular com a participação dos arquitectos António Menéres e Fernando Cerqueira Barros, do geógrafo Álvaro Domingues e de José Rodrigues Lima, o grande impulsionador desta celebração, uma visita à Branda da Aveleira e a inauguração de duas exposições do fotógrafo Luís Miguel Portela.

O MDOC Festival Internacional de Documentário de Melgaço é organizado pela AO NORTE – Associação de Produção e Animação Audiovisual, em parceria com a Câmara Municipal de Melgaço. Desde 2014 que o festival pretende promover e divulgar o cinema etnográfico e social, refletir sobre identidade, memória e fronteira e contribuir para um arquivo audiovisual sobre a região.