O Instituto Politécnico de Viana do Castelo (IPVC) já distribuiu 10 mil garrafas reutilizáveis, no âmbito do projeto Refill H2O. “Este é mais um passo rumo à sustentabilidade”, referia o mentor do projeto na cerimónia oficial de distribuição, que aconteceu na manhã de dia 25 de novembro. O projeto é totalmente financiado e tem uma dotação orçamental de cerca de 150 mil euros.

António Curado manifestava que o projeto premiado pelo Ministério do Ambiente e da Ação Climática (MAAC) e contou com a colaboração de vários docentes do IPVC. “Acredito que este projeto poderá ser inspirador para outras academias”, referia o docente. Lembrando que todas as escolas terão uma estação de enchimento de água filtrada.

“As instalações do IPVC são frequentadas anualmente por mais de 5000 alunos das mais diferentes faixas etárias, nas quais são consumidas anualmente cerca de 51000 garrafas plásticas de 0,50l e 15000 garrafas plásticas de 1,50l. Este consumo resulta na produção de 1215Kg de resíduos plásticos”, constatava o docente.

António Curado sublinhou ainda que segundo dados da PORDATA, no ano 2018, “existiam no Alto Minho aproximadamente 38139 alunos, estimando-se assim que a replicação por todos os estabelecimentos de ensino neste território iria reduzir, anualmente a produção de 9268 kg de plástico”.

Todos os alunos receberão a primeira garrafa a título gratuito, assim como o primeiro enchimento. A compra de uma segunda garrafa terá o custo de dois euros e cada enchimento será cobrado a 0,50 euros. 

O presidente do IPVC garantia que a Instituição já “há largos anos investiu em sustentabilidade”. Carlos Rodrigues dava conta da substituição das luminárias; isolamento de edifícios e ainda da produção de energia através de fontes renováveis.

O Refill H2O IPVC é um projeto financiado pelo EEA Grants, no âmbito do aviso Small Grants Scheme #1 – Projetos para a prevenção e sensibilização para a redução do lixo marinho.

O EEA Grants surge através do Acordo do Espaço Económico Europeu (EEE), assinado na cidade do Porto em maio de 1992, sendo que a Islândia, o Liechtenstein e a Noruega são parceiros no mercado interno com os Estados-Membros da União Europeia.

Como forma de promover um contínuo e equilibrado reforço das relações económicas e comerciais, as partes do Acordo do Espaço Económico Europeu estabeleceram um Mecanismo Financeiro plurianual, conhecido como EEA Grants, através do qual a Islândia, o Liechtenstein e a Noruega apoiam financeiramente os Estados membros da União Europeia com maiores desvios da média europeia do PIB per capita, onde se inclui Portugal.”