O Instituto Politécnico de Viana do Castelo apresentou oficialmente o Núcleo Tecnológico para a Sustentabilidade Agroalimentar (NUTRIR) ID&I, que ficará sediado na Escola Superior de Desporto e Lazer, em Melgaço, e que nasce numa parceria estabelecida com a Câmara Municipal de Melgaço. O projeto conta já com a colaboração de duas bolseiras de investigação.

O Núcleo Tecnológico para a Sustentabilidade Agroalimentar (NUTRIR), a instalar no concelho de Melgaço, com orientação científica do CISAS – Centro de Investigação e Desenvolvimento em Sistemas Agroalimentares e Sustentabilidade do IPVC – tem como missão a caracterização territorial, avaliação das potencialidades e condicionalismos das principais atividades agrícolas da região e a vitivinicultura e a produção animal numa perspetiva de investigação, desenvolvimento e qualificação para suporte à inovação empresarial, dinamização económica e promoção da sustentabilidade territorial.

O NUTRIR preocupa-se com territórios de baixa densidade e baixa competitividade. A presença de estruturas de ID&I com recursos humanos altamente qualificados apresenta-se como crítica para catalisar a produção primária e agroalimentar em estreita articulação estratégica com o planeamento e sustentabilidade territorial, nomeadamente com as Zonas Empresariais.

O território rural de Monção e Melgaço caracteriza-se por um padrão elevado de qualidade ambiental e peso da economia agrícola associada à produção de uvas da casta alvarinho na região de baixa e média altitude e da produção animal em regiões de maior altitude. O tecido empresarial é caraterizado por micro e PME produtores e empresas agroalimentares que apresentam diversos condicionalismos e insuficiência de suporte à inovação de processos e produtos.

A nível local os desafios globais, mudança climática, competitividade económica, qualidade e segurança alimentar implicam novas abordagens, mesmo perante novos enquadramentos (Acordo do Alvarinho, novos modelos produtivos, imperativos de legislação e condicionalismos de comercialização e marketing). A qualificação de recursos humanos num quadro organizacional colaborativo e um programa de I&D&i pragmático e dedicado à realidade local favorece uma estratégia e prática de desenvolvimento agroalimentar e sustentabilidade do território.

Na oficialização do NUTRIR estiveram presentes o presidente do IPVC, Carlos Rodrigues, que realçou a importância deste projeto não só para a instituição, mas para a região do Vale do Minho e área transfronteiriça.

Nuno Brito, coordenador do projeto, reforçou a mensagem do presidente do IPVC, destacando a importância de o projeto Nutrir como uma alavanca para os produtos endógenas da região, sendo potenciador de empreendedorismo, e de ser catalisador de investigação e inovação.

O presidente da Câmara de Melgaço, Manoel Batista, sublinhou a importância do trabalho em rede, não só neste como em outros projetos, que tenham como foco o desenvolvimento das regiões.

Já a ministra da Coesão, igualmente presente na sessão, pediu dinamismo nos projetos e às instituições envolvidas de forma a trazer e dar vida às regiões. Ana Abrunhosa considera que só com este género de parcerias se consegue a dinamização do território.