Ontem, dia 14 de fevereiro, o autarca de Ponte da Barca fez um protesto simbólico junto da fronteira do Lindoso, retirando a sinalética.

Augusto Marinho pretende a reabertura daquele ponto de passagem para Espanha. O autarca do PSD fala de “ignorância do Governo” e de “perseguição política”.

Recorde-se que hoje reabriram mais dois pontos de passagem, Melgaço e Montalegre, lamentando o autarca de Ponte da Barca que a fronteira de Lindoso permaneça encerrada. “É uma fronteira com muito movimento, quer ao nível de trabalhadores transfronteiriços, quer ao nível de transportes de mercadorias, pela sua posição estratégica”, referia aos jornalistas o autarca. Argumentando ainda que “é uma fronteira que não tem alternativa”, obrigando a fazer muitos quilómetros.

“Um trabalhador transfronteiriço tem de andar por dia mais 500 quilómetros quando está face a Lobios, que é o concelho fronteiriço do lado de Espanha, que está a cerca de dez quilómetros”, exemplificou.

“Está situação é insustentável pois as empresas com transações internacionais estão a ser imensamente afetadas com o aumento dos custos inerentes ao crescimento das distâncias percorridas. Volto a lembrar que esta fronteira não tem nenhuma alternativa viável e os trabalhadores estão neste momento a fazer os antigos trilhos do contrabando, sendo estes caminhos perigosos e sem sinalização, colocando assim em risco a sua segurança”, sublinha Augustou Marinho.