No início do corrente mês, o Executivo Municipal de Ponte de Lima acompanhou a Administradora da ARH do Norte, Inês Andrade, a um dos locais intervencionados, na freguesia da Correlhã, na sequência da empreitada de Proteção de Recursos Hídricos.

A empreitada permitiu a concretização das intervenções que o Município de Ponte de Lima havia preconizado para o rio Lima em matéria de controlo da erosão/estabilização das margens, em extensões previamente identificadas em função da prioridade de intervenção, e da melhoria das condições de escoamento dos caudais de rio Lima, por via redução da densidade do coberto vegetal existente nas margens e nas zonas de sedimentação.

“Esta é uma candidatura que permitiu combater alguns fenómenos de erosão às margens do rio”, disse o presidente da Câmara Municipal de Ponte de Lima, Victor Mendes. O autarca reconheceu que se tratou de um investimento significativo da APA, no sentido “de salvaguarda e valorização do rio Lima, à qual nos associamos no apoio técnico e logístico no sentido de salvaguardar e valorizar o principal recurso hídrico do concelho, o rio Lima.”

A empreitada cujo valor ascendeu aos 261.733,90€, foi a financiada a 85% pelo POSEUR, sendo que os restantes 15% foram suportados pela Agência Portuguesa do Ambiente, I.P.

Inês Andrade salientou a importância desta intervenção, considerando que “no mapa das zonas críticas do norte, as margens do rio Lima foram identificadas como zona crítica após as cheias de 2016, e ao abrigo desta candidatura foi possível efetivar este trabalho de melhoria das condições de escoamento dos caudais do rio Lima”.

As intervenções de controlo da erosão/estabilização de margens ocorreram numa extensão total de aproximadamente 400 metros lineares, divididos por três locais de intervenção, um Arcozelo, outro em Fontão e outro na Correlhã, tendo sido adotadas soluções à base de gabiões complementados com aplicação de estacaria viva.