11 espetáculos em nove dias. Esta é a proposta do Festival de Teatro de Viana do Castelo, organizado pelo Teatro do Noroeste-Centro Dramático de Viana e pela Câmara Municipal de Viana do castelo. De 10 a 18 de novembro, o Teatro Sá de Miranda recebe 11 peças de companhias portuguesas e espanholas.

O diretor artístico apresentou na manhã de hoje, dia 08 de novembro, o Festival aos jornalistas. No Café Concerto do Teatro, falava de um dos objetivos do festival que passa pela “desmistificação do teatro”. Ricardo Simões dava conta da preocupação da companhia na inclusão e acessibilidade dos públicos. Nesse sentido, todos os espetáculos terão a componente de Língua Gestual. Os cidadãos invisuais poderão, se assim o entenderem, meia hora antes, fazer o reconhecimento sensorial da área de representação. E no final de cada exibição haverá o “Digestivo”, onde há lugar para conversa entre os intérpretes, os criadores e os públicos.

Peças de companhias de teatro emergentes serão exibidas, lado a lado, com produções de companhias “históricas”.

Os espetáculos têm um custo de dez euros para público em geral, cinco para estudante e de quatro euros para espetadores de associações locais. Ricardo Simões deixa o convite aos vianenses: “Como vamos ao cinema também podemos vir ao teatro. Ainda para mais temos um parque de estacionamento aqui junto ao teatro que se apresentar o bilhete paga apenas 1,50 euros”.

O Teatro do Noroeste decidiu criar um passe geral, cujo custo tem o valor de 15 euros, e permite assistir aos 11 espetáculos. No final, haverá um sorteio para atribuição de um prémio. “Quem vier a cinco ou mais espetáculos poderá ganhar uma assinatura gratuita para integrar o clube dos Amigos do Noroeste”, permitindo ter descontos ao longo do ano.

Com um investimento de cercda de 60 mil euros, o Festival é financiado pela Direção Geral de Artes, Câmara Municipal de Viana do Castelo, Companhia de Teatro Noroeste e outros parceiros.

 

Programação

No sábado, a companhia “O Teatrão” apresentará a peça “Eu, Salazar”, às 21h30. Domingo haverá duas peças. Às 17h, “Aurora” pelo Teatro de Marionetas da Mandrágora e às 21h30, “Colecção de Amantes”. Esta peça é, segundo o diretor artístico, um dos destaques da programação do Festival. A aurora Raquel André já está em Viana e vai encontrar-se num apartamento com oito pessoas diferentes que se inscreveram para viverem situações de intimidade. Essas vivências serão captadas e farão parte do espetáculo que será apresentado no domingo. Ricardo Simões referia que a peça “propõe uma reflexão do que é a intimidade”.

“Verdi que te quero Verdi” é o nome da peça que sobe ao palco da Sala Principal do Teatro Sá de Miranda na segunda, dia 12, às 21h30. Na terça, dia 13, às 21h30, a companhia Teatro das Beiras traz a peça “Do princípio ao fim”.

A Tranvía Teatro apresentará na quarta-feira, dia 14, às 21h30, a “Reglas, usos y costumbres en la sociedad moderna”.

“A Antiga Mulher” será apresentada pela Companhia de Teatro de Braga no dia 15, às 21h30. No dia 16, às 21h30, “Elisa e Marcela” é o nome da peça apresentada pela A Panadaría Centro Dramático Galego.

“A Grande Vaga de Frio” sobe ao palco no Sábado, dia 17, às 21h30 e no domingo há dois espetáculos. Às 17h, “O Automato” e às 21h30 a “La tortilla de mi madre”.