Caminha recuperou a tradição dos tapetes de flores que foram confecionados pelas comissões de rua. Este ano, a Câmara Municipal convidou a comunidade ucraniana a participar e elaborar o tapete no espaço em frente aos Paços do Concelho. N amanhã de dia 16 de junho, as ruas estavam cobertas de tapetes floridos.

A artista ucraniana Oksana Ivanchenko, que está connosco há cerca de dois meses, desenhou os motivos. A composição, dominada pelas cores da Ucrânia (azul e amarelo), mostra uma toalha, que é um símbolo do destino e ao mesmo tempo um talismã. No centro está o brasão de armas da Ucrânia, mostrando o Estado ucraniano, a soberania, o tridente que simboliza a unidade da espiritualidade e da natureza da Ucrânia.

Vemos também 9 espigas de trigo que brotavam do brasão, porque “um dos maiores santuários do povo ucraniano é a colheita e a prosperidade, a eternidade”. Na parte inferior da “toalha” há amentilhos de viburno, que são um símbolo da maternidade e do amor. Oksana explicou-nos que o Viburnum é uma árvore da vida que conecta o passado com o futuro. Na parte superior da composição vemos uma pomba que traz paz às cidades ucranianas, e o sol dá vitalidade e renascimento.

Depois da interrupção ditada pela pandemia, a tradição foi retomada este ano. Voltaram as reuniões ao serão, as relações de vizinhança, a alegria de preparar tudo para a grande noite, de tingir materiais, cortar os verdes, desfolhar as flores.

Depois de uma noite longa, no dia 16 junho, as ruas de Caminha (Matriz) e Vilarelho acordaram floridas, quase mágicas, para a Solenidade do Corpo de Deus, uma festa religiosa que é também uma marca do concelho de Caminha, um autêntico cartão de visita que traz ao concelho, todos os anos, milhares de pessoas.