Pela segunda noite, o recinto do Neopop encheu-se de luz e som para delírio de milhares de amantes da música eletrónica.

O organizador dizia que a cada dia são esperadas 30 mil pessoas no recinto, localizado perto do Santiago da Barra. Raul Duro fazia, à segunda noite, um balanço positivo. “O primeiro dia foi um dia que ultrapassou as nossas expectativas. Normalmente, é um dia que recebemos as pessoas e que queremos facilitar a troca do bilhete pela pulseira…e temos menos gente do que nos outros dias e já correu muitíssimo bem. Foi muito acima das nossas expectativas”, explicava.

A 15.º edição estava preparada há dois anos e Raul Duro conta que houve venda de bilhetes na Índia, Austrália, Nova Zelândia e Indonésia, para além de em muitos países da Europa e América. Por isso, no recinto é possível ouvir falar em muitas línguas.

Se a quinta-feira já era “uma das melhores da história do Neopop”, Raul Duro esperava que hoje os bilhetes esgotassem e amanhã restam “muito poucos”.

No primeiro dia, a organização ofertou 500 bilhetes para os vianenses. “Nós temos feito essa oferta às pessoas de Viana do Castelo, porque o festival é um evento muito inclusivo”, revela Raul Duro. Acrescentando que “comunicamos isto muito em cima da hora para, preferencialmente, incluir aqueles que não têm tantas possibilidades de vir ao festival”.

Hoje as portas abrem às 18h e a música prolongar-se-á até às 07h. No Neo Stage, vai atear Cardia, às 18h; 20h, Switchdance; 22h, Solomun; 00h, Anfisa Letyago; 02h, Paula Temple; Richie Hawtin, às 04h; 999999999, às 06h e às 07h, Paco Osuna.

No Anti-Stage as atuações iniciam-se também às 18h, com Brusca; 20h, Jesterr; 22h, Backbone; 23h30, Cralota Marques; 01h, Vil; 03h, Adiel; 05h, Héctor Oaks e às 07h, Dax J.