O Canil Intermunicipal, instalado em Viana do Castelo, e o abrigo da Associação vianense Vila Animal, que recolhe animais abandonados, foram dois dos locais atingidos pelo surto de esgana. Esta situação levou ao não acolhimento de mais animais. Número de animais afetados não é possível determinar.

A vereadora Carlota Borges deu conta desta situação antes da Ordem do Dia na reunião de Câmara de dia 02 de agosto. “Há um problema que é um vírus que está a atingir vários animais de todo o concelho e distrito”, lembrava a vereadora. Acrescentando que desde segunda-feira, 30 de agosto, o Canil Intermunicipal de Ponte de Lima estava sem receber animais.

A associação vianense “Vila Animal” usou a rede social Facebook para alertar a população para a situação. Com o título “Chega de mortes. Fechamos as portas”, os responsáveis da Vila Animal queriam alertar para a situação dramática em que se encontram. Enfrentam um vírus, e tem alguns animais afetados e estão em instalações precárias. “O primeiro andar do edifício está sustentado por escoras, uma das divisões já não tem chão, as paredes esboroam-se, a instalação elétrica falha constantemente, não dispomos de água corrente no local destinado ao gatil”.

A autarquia vianense já adquiriu um terreno, junto à zona industrial da Meadela e em breve será iniciada a construção de um centro de acolhimento para animais.

No canil intermunicipal e segundo notícia da Rádio Alto Minho já foram abatidos 50 animais e 80 estão em quarentena. O vice-presidente da CIM Alto Minho referiu, àquele órgão de comunicação que “para prevenir a propagação do vírus fomos obrigados a cancelar todas as saídas e entradas e saídas de animais. O canil só aceitará algum animal se for um caso urgente que esteja a colocar em causa a saúde pública”.