Os Serviços de Acção Social da Universidade do Minho (SASUM) em cooperação com a Associação Académica da Universidade do Minho (AAUM) e com o Município de Braga estiveram na tarde desta quarta-feira, dia 19 de fevereiro, a plantar 450 árvores no Ecocircuito da Encosta do Sol, em Gualtar.

“A ideia é compensar a pegada ecológica deixada pelo Campeonato Europeu Universitário de Futsal 2019”, declarou o vereador da Câmara Municipal de Braga, Altino Bessa que também manifestou a disponibilidade do município para outras iniciativas futuras, que apresentem a responsabilidade social e a proteção ambiental como mote.

A iniciativa esteve inserida no Plano de Sustentabilidade delineado pelo Comité Organizador do Campeonato, decorrido entre os dias 15 e o 23 de julho de 2019, sob o lema “Playing for the Planet”, e que visou o uso eficiente de recursos, o fomento da economia circular, o combate às alterações climáticas e a promoção da responsabilidade social e do bem-estar de todos os atletas e equipas técnicas.

A plantação das árvores foi a última iniciativa prevista neste âmbito sendo que, para o administrador dos Serviços de Acção Social da Universidade do Minho, António Paisana, esta ação foi o “culminar de todo um trabalho em prol da sustentabilidade levado acabo durante a organização da competição”, referindo que, durante a competição, “jogou-se para o planeta e hoje estamos aqui a jogar pelo planeta” e dando ainda nota “do sucesso que foi todo o evento”.

O presidente da Associação Académica da Universidade do Minho, Rui Oliveira ressaltou que a iniciativa permite destacar a “responsabilidade social do Europeu”, afirmando que “estamos cá para recuperação da pegada carbónica que deixamos ao longo do campeonato, já por si muito marcado pela sustentabilidade. Com isto marcamos o início da recuperação daquilo que consumimos. É a nossa contribuição ambiental”, disse.

Os responsáveis presentes ajudaram e acompanharam o processo de plantação das 450 árvores autóctones, uma por cada atleta participante no Europeu de Futsal, entre elas carvalhos, sobreiros, pinheiros, medronheiros. Estas foram oferecidas pela Câmara Municipal que, tal como referiu Altino Bessa, “com isto, juntamos o útil ao agradável, valorizando um espaço e um percurso para o futuro”, disse.

A ação contou ainda com o apoio da Junta de freguesia de Gualtar, entidade responsável pelo espaço, declarando o seu presidente, João Vieira que “esta iniciativa agrada-nos, pois permite dar maior visibilidade a todo o projeto do Ecocircuito da Encosta do Sol e, simultaneamente, reforçar a arborização desta zona”, concluiu.

A ação, que contou com a colaboração de cerca de uma centena de voluntários, pretendeu constituir-se como um legado para organizações futuras cada vez mais sustentáveis, no que a eventos desportivos universitários diz respeito.