Ontem, após o Conselho de Ministros, foi conhecido que o concelho de Viana do Castelo entra em situação de alerta devido ao aumento de casos confirmados de Covid-19. No distrito, Paredes de Coura continua a ser o único concelho em “risco elevado”.

Apesar desta mudança, Viana do Castelo não vê alteradas as medidas e nos concelhos de maior risco as restrições “são as mesmas que se aplicavam até então”, explicava a ministra da Presidência. Mariana Vieira da Silva informava que a “situação continua a degradar-se”.

Além da limitação de circulação na via pública, diariamente, entre as 23h e as 5h, nos 90 concelhos de risco elevado e muito elevado (onde se incluiu Paredes de Coura). O comércio a retalho pode fechar até às 21h todos os dias. Os restaurantes, cafés e pastelarias encerram até às 22h30, mas podem receber grupos maiores: de seis pessoas no interior dos estabelecimentos e de dez pessoas nas esplanadas.

Em Paredes de Coura é exigido teste negativo ou certificado digital para refeições no interior de restaurantes a partir das 19h de sexta-feira e durante os fins de semana.

O teletrabalho é também obrigatório nestes concelhos.

“Temos hoje no continente uma incidência de 346,5 por 100 mil habitantes e um R(t) de 1,15”, avançou Mariana Vieira da Silva. “Este valor do R(t) é mais baixo do que na semana passada, parecendo verificar-se alguma diminuição da velocidade de crescimento. Em qualquer caso, a incidência é ainda muito elevada, estando o país ainda na zona vermelha da matriz”, referia a ministra.

 

Supermercados vendem autotestes

O Conselho de Ministros aprovou também um decreto-lei que permite a venda de autotestes nos supermercados.

“Foi aprovado o decreto-lei que estabelece um regime excecional e temporário que permite a disponibilização de testes rápidos de antigénio na modalidade de autoteste em supermercados e hipermercados, desde que garantidas as condições definidas pelo fabricante”, lê-se num comunicado do Conselho de Ministros.

Segundo o Governo, a medida permitirá reforçar a identificação de casos positivos de Covid-19, numa altura em que Portugal se mantém na zona vermelha da matriz de risco e a situação epidemiológica continua a ser preocupante.