Política
Pouco podemos acrescentar ás noticias do interior, que damos no nosso telegramma de hoje.

Todas as informações são concordes em que o adiamento das camaras é o prelúdio da sua dissolução, a nosso ver muito justificável pelo estado em que se acham os diversos grupos politicos da camara electiva.

O governo começou já a nomeação do novo pessoal administrativo, e consta que serão nomeados governadores civis de Evora o sr. visconde de Guedes, em substituição do sr. Claudio de Mesquita Rosa, de Villa Real o sr. Manuel António de Carvalho. Bragança o sr. Ferreira Pontes, e da Guarda o sr. José Tiberio de Reboredo.

Confirma-se a nomeação dos srs. visconde de Chanceleiros e conde de Samodães para os logares de governadores civis de Lisboa e Porto.

Também consta que foram nomeados secretarios geraes de Braga o sr. Marques Murta, de Vizeu o sr. Lemos e de Villa Real o sr. António Claro.

Falla-se em próxima recomposição ministerial e indigitam-se vários nomes que fariam parte do gabinete. Em Lisboa corria o boato de que o novo ministerio ficaria assim organisado: Presidencia e estrangeiros, marquez de Bolama; reino, Braamcamp; fazenda, A. Serpa; obras públicas, Carlos Bento; justiça, Luciano de Castro; guerra, Fontes; e marinha, Mello Gouvea.

Parece-nos todavia que esta noticia não passa de um boato sem fundamento.