Um escandalo
Chamamos a attenção do sr. ministro da fazenda para um facto escandaloso que se está praticando na alfandega d`esta cidade.
Segundo nos informam, e é voz publica n`esta cidade, que vê indignada similhante procedimento, existe n`aquella casa fiscal um empregado que não faz serviço algum, sendo d`elle dispensado na maior parte dos dias pelo sr. director, que é o padrinho e protector d`aquelle empregado.
Muitas e muitas vezes o mesmo empregado entra ás horas da repartição, assigna o ponto e retira-se, deixando aos seus collegas o trabalho que lhe competia, sem por isso receberem maior ordenado.
E tudo isto é tolerado pelo sr. director da alfandega, que consente e mesmo não tem força precisa para evitar taes abusos.
É preciso que acabe similhante imoralidade. Os empregados são todos obrigados a cumprir com os seus deveres, e não conhecemos lei alguma que faça excepção aos afilhados dos chefes de repartição.
Levamos este facto escandaloso ao conhecimento do sr. ministro da fazenda, esperando que lhe dará prompto remedio.

Pasmem leitores
Informam-nos que durante o ominoso ministerio da dictadura o governo civil de Vianna recebêra para despezas com a polícia, e subsidio a seu jornal a modica quantia de mais de 600$000 réis! Note o publico que, durante os ministerios passados, os governadores civis d`este districto não recebiam para polícia mais de 50$ a 100$000 réis annualmente! Que immoralidade, que desaforo! Felizmente o sr. bispo de Vizeu levantou a cesta a estes amigos.