No dia 1 de agosto, sábado, pelas 11 horas, na Biblioteca Municipal de Viana do Castelo, no âmbito da 40.ª edição da Feira do Livro, foi apresentada a 9.ª Edição, 2.ª série da revista, “A Falar de Viana”, revista de alta qualidade. Fez uma brilhante apresentação, da citada revista, o Dr. Rui Faria Viana, numa sala cheia (com a distância recomendada, e com as devidas máscaras, devido à pandemia da Coronavírus).

Esta revista tem cerca de 327 páginas, fora as páginas reservadas à natural publicidade (ao todo a revista tem cerca de 351 páginas) e artigos de cerca de 34 colaboradores que, no dizer do Sr. Presidente da Câmara Municipal de Viana do Castelo, José Maria Costa, “ é uma janela rasgada sobre a História de Viana”. Segundo o seu apresentador, Dr. Rui Faria Viana, a revista divide-se em: Antologia Poética e Coletânea, terminando numa reportagem sobre as Festa da Nossa Senhora da Agonia de 2019 e com o programa das Festas para este ano, excepcional, de 2020.

O meu texto, nesta revista, foi sobre o meu bisavô; General Gaspar de Azevedo Araújo e Gama, um dos fundadores da Cruz Vermelha de Viana do Castelo e um dos seus primeiros dirigentes, nesta cidade. Este meu trabalho está publicado nas páginas 218 à 223, inclusive. Para além de falar sobre a origem da Cruz Vermelha de Viana do Castelo, falei desta figura, que foi o General Gama. Sucintamente, para esta instituição, a “Aurora do Lima”, fazia todo o sentido a instalação em Viana do Castelo de uma Delegação da Cruz Vermelha (organização já com muito prestígio a nível mundial), capital de distrito desta zona nortenha e que reunia todas as condições para aqui ser instalada uma Delegação, uma vez que, para além de Viana do Castelo ser capital de um distrito, tinha um excelente porto de mar já com um movimento muito razoável, perto da fronteira com a Espanha e era uma cidade com uma boa atividade turística e cultural.

Escreveu o jornalista Gonçalo Fagundes Meira : “Profundamente empenhado em que fosse bem sucedida a tarefa a que tinha metido ombros, o “A Aurora do Lima” volta de imediato ao assunto, dando conhecimento da constituição da comissão organizadora, eleita entre os sócios presentes na reunião realizada, composta pelos seguintes elementos: Dr. João da Rocha Páris (Presidente), Albino A. da Costa Peixoto (1.º Secretário), José Caetano Palhares Viana (2º Secretário), Prior José Mendes Abreu (Tesoureiro) e, como vogais Túlio da Mota, Bruno da Silva Lomba, António Pimenta Barbosa, Augusto Martins, Américo Pires Albom e Alberto Mourão. Esta data de 5 de Abril de 1911 passa, então, a figurar como sendo aquela em que na cidade de Viana do Castelo se criou a Delegação da Cruz Vermelha Portuguesa. Pouco tempo decorrido, são eleitos os primeiros corpos gerentes da Delegação, tendo como presidente fundador o General Gaspar de Azevedo Araújo e Gama” . Convido o amigo leitor a ler esta excelente revista cultural.