Nunca como hoje foram tão numerosos nem tão consternadores os atentados violentos contra a Paz e Harmonia na Família — igreja doméstica chamada…!

Pondo de lado — embora lamentando e condenando — ataques violentos e ferinos provindos do exterior contra idosos e indefesos, quero, nesta minha humilde crónica, enfocar os chamados “crimes de violência doméstica”.

O que por aí vai, prezado Leitor, de cenas horrorosas de crueldade, selvajaria, desamor, ódio, vingança, ataques ferozes contra a vida e honra de membros da sua família, cometidos por familiares em cujos corações e almas o Amor, natural e prometido e jurado, fora violentamente destronizado por Vingança, Rancor e Ódio…! Irmãos fratricidas, filhos parricidas e matricidas, pais filicidas, casais conjugicidas — eu sei lá! — quanta fornalha do Amor transformada em cratera vomitando labaredas de lava odienta…!

Porquê assim!? Porquê tantos destroços provocados pelo Mal, em coutadas pertencentes ao Bem e ao Amor…!? Existirá um DESTINO ou DETERMINISMO…!? O que significará a expressão “Divina Providência”, tantas vezes emanada de boca ditas cristãs…!?

Vês, prezado Leitor, quão irrequieto é este meu espírito filosófico do “querer-saber”…!?

Pois bem: aí vai a humílima sugestão deste cronista-semeador: já que a Família é uma valiosa célula da Sociedade e — como tal — também ela uma mini-sociedade, constituída pelos diversos membros familiares, todos estes entre si devem assumir-se corresponsáveis pela Paz harmoniosa do Lar comum… Há direitos e deveres, iguais e específicos, em cada membro. Habituem-se, pois, todos e cada um, a fazerem o dito “exame de consciência” no fim de cada dia…! Se o saldo for positivo nas contas, o caminho é prosseguir…! Se for negativo por ação ou omissão, mudem de comportamento em novas atitudes! Reconheçam o mal feito, peçam desculpa!!!

AMOR, sim! Vingança e Ódio, não!! Violência, jamais!!!