“Desde 2007 que a VianaPolis apresenta todos os anos resultados líquidos nulos.” (RTP, programa Sexta às 9 de 19.07.2019)

Isto é verdade. E isto só foi possível porque a VianaPolis ocultou, ano após ano, a verdade substancial e material da situação económica e financeira da empresa, apresentando nas suas contas trabalhos da empresa para a própria empresa como se de um investimento se tratasse, com um valor feito à medida dos seus custos de exploração, e desta forma apresentar resultados líquidos nulos, quando na verdade uma vez expurgado o valor ficcionado dos proveitos de exploração, os resultados líquidos da empresa apresentariam sempre um prejuízo avultado. Esta situação foi denunciada pelo meu advogado ao Sr. Presidente do Tribunal de Contas em 26.02.2018, e eu próprio denunciei esta situação à Sra. Procuradora Geral da República em 12.12.2019, denuncia essa que fiz acompanhada de ficheiros comprovativos. Até hoje, não tive quaisquer notícias destes órgãos de soberania.

Recuso-me a pensar que estes órgãos de soberania estejam repletos de pessoas negligentes ou incompetentes. O mais provável é o Governo ter nestes órgãos de soberania alguém da sua confiança política que se encarrega de meter na gaveta do esquecimento os processos que de algum modo o possam embaraçar ou mostrarem-se inconvenientes, até o passar do tempo os tornar irrelevantes.

O mesmo sucede com a petição pública “Salvar o Prédio Coutinho” (Público de 08.09.2018), que em três semanas angariou 4.595 assinaturas (validadas pela AR). Desde então, a petição encontra-se na AR (Comissão 11, CAEOT XIV), certamente numa qualquer gaveta do esquecimento, pacientemente à espera que o seu objecto deixe de existir.
Atenciosamente,
Ronald Silley
West Vancouver, Canadá