… e assim se constrói na Meadela (2)

Na sequência de um pedido de esclarecimento à Camara Municipal sobre a construção de um edifício contiguo à capela da Sra d’Ajuda, na Meadela, e no seguimento de uma nota aqui publicada em 10 de janeiro deste ano, cumpro o dever de dar conhecimento aos 25 signatários de um abaixo-assinado dos moradores, da resposta dos serviços competentes da Autarquia. Nesse documento pedia-se a reconsideração da aprovação do projeto, tendo em conta a proximidade de um templo religioso, o acréscimo do número de habitações de quatro para 10, e o congestionamento de trânsito automóvel nas imediações pela exiguidade das vias de acesso ao local.

Pois bem, formulado o pedido em 05 de setembro de 2018 e depois de dois pedidos escritos reclamando o direito de resposta, eis que esta chegou, depois de a obra já ter sido concluída! Segundo o gabinete da Divisão Jurídica, “a informação provavelmente não foi prestada por lapso”. E diz mais:

O alvará de loteamento emitido em 2008 foi alterado, por aditamento, em 2017 de que resultou um aumento da área bruta de 5%. Quanto ao número de fogos, que passou de 4 para 10, “equivale aritmeticamente a um aumento de 60% (…) ou seja, um aumento médio de apenas 4 habitantes”. Diz ainda que “o número de lugares de estacionamento público foi aumentado de 4 para 10”.

Ou seja, nenhuma destas justificações esclarece minimamente o pedido de reavaliação do projeto, tendo em conta os 3 quesitos acima referidos.

Quem quiser entender, que entenda! Prometemos voltar ao assunto quando o imóvel de “10 habitação” estiver ocupado. Pena também que não tenhamos conhecido o parecer da União de Freguesias e da Proteção Civil.

José de Matos