A comentar a minha crónica de 31/10/2019, na qual abordava a insuficiente organização da nossa sociedade, um leitor teve a amabilidade de me “censurar” por email. Quando se escreve estamos sempre expostos à divergência, mas é na base do desacordo que fazemos debate e aprofundamos o esclarecimento. Quando criticamos e sugerimos devemos ser bem-intencionados e pedagógicos, nunca abdicando, contudo, de ter opinião.

Voltando ao leitor, este acha que é uma realidade a nossa pouca organização no trabalho. Porém, ironicamente, foi dizendo que, em matéria de eficácia, os ENVC não devem figurar como o melhor exemplo, já que esta nunca foi uma empresa lucrativa, tendo por essa razão acabado nas mãos de privados, agora sem problemas e a funcionar bem.

É fácil contrariar esta teoria, mas não em artigo curto, que se deseja enxuto porque já ninguém tem paciência para densas e longas leituras. No entanto, deixo pequenas notas para reflexão de todos os que têm visão idêntica. Diz-me este interlocutor que “não basta saber construir bem os navios, já que as empresas têm como principal objetivo o lucro”. Não há verdade mais evidente. Uma empresa que acumula prejuízos, salvaguardando as de objetivo social, não tem futuro. É um conceito que interiorizei para a vida.

Constatando realidades, a crise na construção naval a nível mundial já era patente na década de 1970, portanto há mais de meio século. As razões, em boa medida, assentavam na distorção do mercado internacional, com uma oferta superior à procura, resultante da entrada forte no negócio, a baixo preço, dos países do continente asiático, situação que ainda prevalece. Daí que já se possa considerar um feito para os ENVC ter resistido tão longo tempo, sabendo contornar obstáculos incomensuráveis. Isto conseguindo períodos áureos como, por exemplo, os resultados financeiros de excelência na década 1980/1990.
A construção de um navio exige inteligência, conhecimento, organização, planeamento, esforço e, distintamente, interligação de atividades, para que resulte em obra superiormente qualificada.

E isso, pelo menos noutros tempos, aqui fazia-se bem, todavia com custos que o mercado teimava em não suportar, sendo este um desafio de difícil superação. Quando trabalhava costumava dizer que, mesmo em crise, os ENVC poderiam ser a melhor empresa do mundo. Mantenho esta convicção. A história nos dirá se sim ou não.

goncalofagundes@gmail.com