A pitoresca Romaria de Nossa Senhora da Bonança que se realiza em Âncora é da iniciativa dos pescadores locais, valendo-se na sua fé às virtudes da Virgem nos momentos de aflição e pavor provocado pelas tempestades.

Arranjam comissões para atrair benefícios ou esmolas para tornar efetiva a romaria, sem poupar esforços os ousados pescadores.

Em tempos idos viam-se rapazes vestindo fatos próprios da gente do mar, de ganga azul. Eram divididos em dois grupos, de seis rapazes, indo de porta em porta, entoar cânticos à Virgem da Bonança para recolher donativos que eram leiloados no arraial.

No fim do dia, pendiam nos mastros das pequenas embarcações os cachos de uvas e outras dádivas.

Finalmente, estes rapazes tomam parte na procissão da Virgem com os seus andores, cantando o que se apresenta novamente, hossanas:

Oh Senhora da Bonança
Que estais cercada de anjinhos,
Socorrei os pescadores,
Lembrai-vos dos seus filhinhos.

Oh Senhora da Bonança,
Madrinha dos marinheiros.
Socorrei-os no alto mar,
Oh mãe do Deus verdadeiro!

Oh Senhora da Bonança
Os seus filhos aqui estão,
Se vos têm ofendido
Aqui vos pedem perdão.

Oh Senhora da Bonança,
Oh linda estrelas da Aurora,
Deitai-nos vossa bênção
Com ela vamos embora.

Referência: Couto, Alberto – Revista Alto Minho, pág.63 e 64