Apelo aos nossos colaboradores e correspondentes

Sem que nos deixemos absorver pelo pragmatismo das mensagens electrónicas (sms), inegavelmente útil em determinadas circunstâncias, temos colaboradores que se estendem nos textos de opinião.

Textos longos tiram o apetite à leitura, alimentando o fastio geracional em
crescendo dos jovens. Por outro lado, ocupam espaço em que outros podem escrever.

A tendência comunicacional pende para “as imagens — mais do que nunca — valerem por mil palavras”. Para o domínio do ilustrativo sobre
o descritivo.

Que será da literatura? Depende dos programas do ensino secundário, mas, sobretudo, dos professores capazes de associar os entusiasmos sindicalistas ao gosto pelo ensino e cultura da língua portuguesa, aos seus alunos.

Apontamos como exemplo as páginas 16 e 17 desta edição, onde são editados cinco textos com imagens. Todo o texto que exceda uma folha A4, a linha simples, obriga à sua publicação em caracteres de corpo abaixo de “10”, de difícil leitura, não permitindo a inserção de fotos ilustrativas, caixas complementares, etc.

Essa avaliação pode ser feita no programa de escrita Word, em Ficheiro (ao cimo à esquerda) > Propriedades > Estatísticas. Este texto tem: 260 palavras ou 1.400 caracteres; o equivalente a meia folha A4, em corpo 10, Times New Roman (ou Cambria), linha simples. Medida ideal para uma curta crónica ou editorial. O dobro poderá contemplar um artigo de opinião, numa folha A4, permitindo caixas e/ou eventuais fotos.

Mais do que isto obriga a partir os textos, tornando, também, a leitura menos apelativa.