A azáfama para a construção de uma nova rotunda no cruzamento “do Continente” quase surpreendeu alguns vianenses com as movimentadas obras naquele já fatídico cruzamento (pg. 3).

No passado mês de Novembro, registou-se mais um atropelamento na faixa que desce do lado da Capela de S. Vicente, no sentido poente, com um morto e um ferido grave. No passado, outros houve, todos na mesma faixa, que tem uma passadeira pedonal entre a “Capela” de S. Vicente e o “Continente”. Os primeiros atropelamentos, alegadamente motivados por um semáforo (entretanto retirado), que apelava, quando verde, certamente à aceleração automóvel, estava colocado a cerca de 100 m daquela passadeira no cruzamento do Continente.

Uma autêntica “ratoeira da morte” que vai continuar a ter de satisfazer a travessia da via naquele perigoso local! Será que a proximidade da rotunda poderá servir para refrear os automobilistas? Ou a passadeira vai ter um semáforo accionável pelos peões? Parece-nos ser esta a verdadeira solução.

E, já agora, os Bombeiros Municipais beneficiam deste novo enquadramento, para além das saídas para a Meadela (nascente), passando a utilizar esta nova rotunda em alternativa à do Hotel Axis.

As rotundas continuam a ser um quebra-cabeças para os automobilistas que, perante um acidente, não chegam a entendimento com seguradoras até ser resolvido nos tribunais. Conceitos fundamentais:

1 – Ao entrar na rotunda, tem prioridade quem nela circula;
2 – Deve entrar pela faixa da esquerda;
3 – Se tiver que sair na próxima saída é que pode posicionar-se na faixa da direita;
4 – A saída faz-se por aproximação devida da faixa de saída, com sinal aberto à direita;
5 – Deve ter atenção ao posicionamento na faixa de saída, sendo preferível dar mais uma volta à rotunda do que forçar a saída.