A resiliência é uma capacidade que todos possuímos, quer enquanto indivíduos, quer como empresas, e que podemos incrementar através da reflexão estratégica.

Ser resiliente é ser capaz de gerir eficazmente os problemas, superar obstáculos e resistir à pressão de situações adversas, transformando processos e circunstâncias negativas em aprendizagens e oportunidades de mudança e evolução.

O marketing e o planeamento oferecem-nos ferramentas para sermos mais resilientes neste contexto de crise.

Condições únicas como as que as empresas estão a viver obrigam a medidas especiais. A atual situação não é nada favorável ao tecido económico. No entanto, está ao alcance das empresas tomarem ações concretas que podem contribuir para mitigar o preocupante desfecho das contas deste ano, que é já expectável.

Se a saúde pública e a segurança de todos continuam a ser a prioridade, não podemos, ao mesmo tempo, deixar de antecipar os cenários económicos a curto e médio prazo. É urgente e imperativo abraçar o desafio de minimizar os danos desta crise, cuja dimensão ainda desconhecemos.

É tempo de definir uma estratégia de resiliência para as nossas empresas. Quanto mais cedo a colocarmos em prática, melhor estaremos preparados para enfrentar as dificuldades atuais e as de um futuro próximo.

Temos, igualmente, de estar conscientes de que o mundo tal como o conhecíamos, não voltará a ser igual. A análise de tendências, que esta crise veio acelerar, permite-nos antecipar a mudança de comportamentos de consumo, que irão certamente persistir, e dela retirar ilações e vantagens. Muitos sectores terão de se adaptar às novas realidades de mercado. É cedo para percebermos o que irá mudar e que novos comportamentos se instalarão. Porém, é certo que haverá um aumento de consumo online de produtos e serviços alimentares, de vestuário, beleza e saúde ou home office, entre outros.

Fernando Lima

Especialista em Marketing e Comunicação, CEO da LIONSOUT