O “Estado Novo” surgiu da revolta patriótica do valente Marechal GOMES DA COSTA (1863-1929) em 28 de Maio de 1926, contra os desmandos da nossa 1.ª República (1910-1926). Esta 1 ª República foi magistralmente identificada por GUERRA JUNQUEIRO (1850-1923) como “Bacanal de percevejos em enxerga podre” (enxerga era a Pátria, percevejos eram os Políticos, bacanal era a orgia louca em que esses políticos viviam…)

GUERRA JUNQUEIRO (Poeta, Escritor, Jurista, Deputado, Embaixador, relacionado com Viana do Castelo por trabalho e casamento, sabia bem do que falava, ao caracterizar assim a sua e nossa 1ªRepública…

Como consequência da referida revolta do 28 de Maio de 1926, surgiu o chamado “ESTADO NOVO”, derrubado no 25 de Abril de 1974.

Esse Estado Novo, se não foi perfeito – longe disso – teve méritos inegáveis na Economia, Defesa, Finanças, Ordem pública… Portugal, então, também cresceu, consolidou-se, foi amado, admirado, odiado…

Infelizmente, até lhe usurparam indignamente o nome da ponte Lisboa-Almada, chamada “Salazar” (inaugurada em 1966) atribuindo-lhe o nome imerecido de “25 de Abril” (surgido apenas em 1974…)

Derrubado em 1974 o Estado Novo, sucedeu-lhe um novo-Estado, que também não é perfeito – longe disso – mas sempre renovável, perfectível através da decantada Democracia… 

Saibam os Políticos, e queiramos todos nós, contribuir para o aperfeiçoamento da Democracia tornando este novo Estado mais livre, mais igual, mais fraterno…!