A “Família Natário” tem história marcante em Viana do Castelo. No campo industrial-comercial-empreendedor, foi exemplo que ainda germina…

Conheci, na década “50” o Joaquim Natário – chefe da Secção de Finanças de Paredes de Coura. Espírito alegre, brincalhão, irradiador de simpatia. O Manuel Natário, já de saudosa memória, conheci-o, falei com ele, admirei-o, fui seu cliente.

O “Zé Natário”, agora romeiro do Além, foi, dos três”, o que conheci mais de perto, com quem mais contactei durante anos, aquele que mais admirei, como homem, gestor, empreendedor, vianense ilustre e impulsio­nador do “amanhã”…

Julgava-o menos idoso, não tão debilitado, muito menos portador de doença inexorável…!

Cruzando várias vezes com ele, ou cumprimentando-o na Pastelaria ou Restaurante, falámos, sempre com simpatia e amizade. Mesmo quando aceitou e remunerou os livros de minha autoria.

A última conversa que tivemos, há meses, foi quando ele me pediu que reduzisse a escrito e lhe desse a letra de duas quadras que eu fizera e dedicara aos seus negócios.

“Quem consome em “Zé Natário” – quase ao fundo da Avenida – longe de ser perdulário – sabe dar prazer à Vida!” E estoutra: – “Café Sport Restaurante – sito em rua dos Manjovos – é renovador constante – de Sabores sempre novos!”

Gostou delas, pediu-mas e eu dei-lhas, com todo o gosto!
Éramos amigos! Surpreendeu-me e feriu-me a notícia inesperada da sua derradeira viagem, cá na Terra! Rezei logo e repetidamente pelo seu eterno descanso! Confio plenamente na sua sobrevivência no “Além”, onde fica esperando por mim e pelos Seus! A Estes, mormente, Esposa, à Filha, ao Filho, Netos e demais Familiares, os meus amargurados pêsames, aliados a votos de coragem e valentia, no prosseguimento da Obra meritória do seu Ente querido! Guarde-o Deus eternamente feliz, na morada dos Eleitos!!!