Faço parte de uma geração que pertence “a outros tempos”, mas que, com mais ou menos dificuldade vai acompanhando os tempos que correm. Em Abril de 1974, tinha 31 anos, vivia em França, e era o mais velho de seis irmãos, um dos quais, entretanto, falecido. Meu pai também se finou em 1965. Minha mãe […]
Para ler a restante notícia, deverá ser assinante do Aurora do Lima. Subscreva uma das assinaturas para ter acesso às anteriores edições do Aurora do Lima. Faça Log in ou assina já.