É tempo de Páscoa, tempo necessariamente diferente, mas também tempo de esperança, de renovação, de recomeço.

Em dois anos consecutivos , coincide com períodos em que prevalece o confinamento ou o gradual desconfinamento, o dever de recolhimento,  a restrição à atividade empresarial e à circulação de pessoas.

A crise pandémica agravou as desigualdades, evidenciou constrangimentos e dependências, impactou fortemente nos sectores e grupos mais vulneráveis.

Para todos, sem exceção, não pode deixar de haver um apoio. Ninguém pode  ficar para trás, ninguém pode ficar marginalizado.

Nesta difícil conjuntura, esperamos  uma resposta mais  forte e mais eficaz.  A retoma vai ser lenta e gradual. É tempo de apoiar as Empresas e as Famílias. Para salvar Empresas e postos de trabalho as medidas de apoio têm de ser robustas –  o lay off tem de ser prolongado para além de junho,  as moratórias, ou o instrumento que as substitua,  têm de ser alargadas para além de setembro, os apoios financeiros terão de ter uma forte componente a fundo perdido.

No dia em que escrevemos esta Mensagem , os últimos dados sobre a evolução da pandemia no Alto Minho  são francamente positivos e esperançosos. Para que se mantenha a atual tendência da diminuição da incidência  na nossa Região e o desconfinamento prossiga sem sobressaltos, continuará a ser decisivo  o compromisso e o contributo de Todas e de Todos.

Uma Feliz  Páscoa.

 

Presidente da AEVC

Manuel Lima da Cunha Júnior