Na escola primária da minha aldeia, Vila de Punhe, e em muitas outras, já lá vão mais de seis décadas, as professoras primárias eram quase sempre provenientes de Trás – os – Montes, sucedendo-se à medida que avançávamos de classe. Muitas delas acabavam por ficar alojadas numa antiga casa da “Quinta do Padre Ramiro”, situada no lugar da Chasqueira, lá na aldeia, (hoje transformada em loteamento que deu origem a várias vivendas), que, na época, se encontrava quase em ruínas.

Ali, se bem me recordo, usufruí de muita fruta para saciar a fome quando tinha os meus 10/11 anos. Os caseiros eram pessoas muito amigas dos meus pais. As docentes que ali lecionavam, depois das aulas, levavam os alunos para aquele casarão, preparando-os para os exames de admissão à Escola Industrial e Comercial de Viana do Castelo e ao Liceu Nacional, como era habitual naquele período, durante a frequência da 4.ª classe.

Os exames eram feitos na Escola do Carmo, em Viana do Castelo e na Escola da Avenida. Para muitos de nós, alunos, esta deslocação, permitia, pela primeira vez, conhecer a cidade de Viana.

Não era fácil fazer a viagem. Eram muito escassos os meios de transporte e, além disso, as dificuldades financeiras eram aflitivas para quase todas as famílias.

Conservo também muitas memórias dos meus colegas e, recordo, com alguma saudade, peripécias e vários episódios dignos de registo.

O júbilo e o entusiasmo das viagens feitas no comboio, confundiam-se com a apreensão, pois tratava-se de um exame e, nessa fase preliminar, ninguém gostava de ficar mal. Felizmente, quase sempre tudo corria bem para os que eram selecionados. Nesse período, nas aulas, era usual a palmatória e a régua por parte do professorado, pensando eles/as que com essa atitude conseguiam o êxito desejado!

Nem todos… e ainda bem!… a ponto de provocar algum empenho no estudo, em cada um dos alunos. O regime assim o permitia. Era duro e exigente. Já lá vão muitos anos. Hoje tudo é diferente! Naquele tempo, levavam os alunos com a matéria toda papagueada, granjeando exames brilhantes de acesso às escolas secundárias, pelo menos quando por lá passei.

Os exames de admissão acabaram! Outros tempos! Fica o registo para que a juventude recorde como era outrora e possa hoje comparar.

Foto: OlharViana