Conheci o Pinhal da Gelfa, quando tinha tenra idade e ia de Afife a Vila Praia de Ancora, ao cinema, com amigos, aos domingos. Era um Pinhal lindo, frondoso, bem cuidado, que dava gosto lá entrar e respirar o ar daquelas árvores. Até lhe chamavam o pulmão do Vale de Âncora.

Agora, passo por ele e dá-me pena. Está fechado, com correntes e cadeados e no seu interior o que vemos? Árvores caídas, montes de lixo, um barril de pólvora, agora que se aproxima o Verão. É que, o que aconteceu em Pedrógão pode bem acontecer em Âncora, uma vez que aquele Pinhal, contrariando a legislação actual, embora sendo sendo tutelado pelo I.P.N. e não pela Junta de freguesia de Âncora, como era antigamente, não é limpo há muito tempo. E isso é que me preocupa, quer como jornalista, quer como utente das Praias do Forte do Cão e Vila Praia de Ancora, quando estou de férias.

Podem estar descansados os senhores políticos que eu não vou dizer quem são os responsáveis, se infelizmente acontecer alguma desgraça àquele Pinhal. Mas como cidadão, tenho o direito de denunciar, na imprensa, que o Pinhal da Gelfa, ao contrário do seu irmão do Camarido, continua ao abandono. Até quando? Lá diz o ditado” Depois da casa roubada, trancas à porta”…Melhor, como nestes casos, nunca há culpados humanos, culpa-se o fogo e arquiva-se o processo.

Agora, veio nos jornais, que a GNR, tinha levantado um auto, (isto é de bradar aos Céus!!!) ao Instituto Português da Conservação das Florestas, tutelado pelo Governo, por não ter procedido à limpeza do Pinhal de Leiria que, como toda a gente sabe, foi quási destruído por um pavoroso incêndio, o ano passado. Sendo assim, a GNR de Caminha tem todo o direito de levantar outro auto ao IPCF, por não ter ainda limpo o Pinhal da Gelfa, com limpeza de 10 metros, entre o Pinhal e a valeta e a desflorestação no interior do mesmo. Isto é, na minha modesta opinião, o Governo obriga os particulares a limpar os seus terrenos, mas no que diz respeito às Matas Nacionais, é o que se vê.? Assim não. Até porque, com a continuação do tempo quente, a possibilidade dos incêndios é maior e seria uma grande desgraça se acontecesse um incêndio no referido Pinhal.
A partir de agora, deixarei de falar no Pinhal da Gelfa, esperando que alguém tenha o bom senso de o mandar limpar, mesmo cortando o cadeado…

Foto: Jornal “Terra e Mar”