Em plenas férias de Natal do ano 2020, no Jardim Zoológico de Lisboa, vivia uma foca chamada Mily. Ela tinha 37 anos, o seu corpo era preto e brilhante e os seus olhos eram tão redondos que mais pareciam bonitas azeitonas. A Mily estava à espera de uma cria.

A nossa amiga foca estava a planear uma festa de Natal com os outros animais do zoo. Fariam parte da festa o Golfinho Golfista, o Leão Bonitão, o Flamingo Rechonchudinho, a Avestruz que brilha na luz e a Lontra que é sempre do contra, entre outros.

A festa foi organizada no Bar das Cobras por lá estar sempre calor. Estava tudo muito bonito! Havia um arbusto de Natal com imensos presentes à volta e centenas de pirilampos iluminavam o bar. No centro, havia uma mesa tão comprida, que nem se lhe via a ponta, cheia de doces e, junto ao terrário das anacondas, tocava músicas natalícias a Banda do Macacos Trapalhões.

A certa altura, ouviu-se um grito de dor que fez parar a festa. Todos olharam para a Mily que agarrava a barriga e que disse:
– Ai que o meu Duduzinho vai nascer agora!
– Ó minha doçura, vou já chamar o veterinário! – afirmou Rufus, o marido da Mily. Ele gritou o mais alto que conseguiu, mas não foi o suficiente.
O Leão Bonitão chegou-se à frente e propôs:
– Deixa isso comigo!

Ele rugiu de tal maneira que o veterinário, em casa, percebeu que havia um problema no zoo e foi para lá a correr. Mal o veterinário chegou, o bebé saiu com a sua ajuda. A Mily, para lhe agradecer, convidou-o a ficar para a festa.

À meia-noite, todos os animais decidiram oferecer os seus presentes ao novo membro da família do Zoo de Lisboa, o Duduzinho.

Autoria: Turma 3.ºA da Escola do Carmo