Num mundo em constante mudanças e transformações, onde a inovação parece ser a palavra de ordem, creio infelizmente, que o Ser Humano ganhou o título de desatualizado. Passamos, seguramente, a ser, a única coisa velha que aqui existe.

O problema está que, apesar de as máquinas poderem ser atualizadas, não é ainda possível ligarem um cabo ao nosso software e procederem com um upgrade, seja ele do tipo que for.

Muito se ganhou numa era industrializada. A ciência revela-se curiosa e foi-nos permitindo grandes avanços. Contudo, muito ficou para trás. Ficaram para trás valores, atitudes cooperativas, respeito próprio, amor incondicional, o zelo, a moralidade e o bom-senso e o estado de suficiência. No fundo, perdeu-se aquilo que se pode chamar de um sentimento de pertença e utilidade. Quase como se a felicidade nos tivesse sido arrancada aos poucos de uma forma muito subtil e por ventura, irracional.

Quando falamos em felicidade no seu sentido lato, ela advém do facto de sermos necessários – no trabalho, numa amizade, numa relação, num local. Contudo, circula por aí uma falsa premissa de que todos nós somos substituíveis, de um modo ou de outro. Mas, não deveríamos Nós olhar ao nosso redor para perceber que, na realidade, ninguém substitui ninguém?

Acabem com o planeta, e depois digam-me onde iremos viver. Substituam a vossa mulher, o vosso homem ou vossos filhos, e depois digam-me onde poderão encontrar o amor. Substituam os Humanos por máquinas, e depois digam-me qual é a razão de vivermos. Afinal, se estamos todos condenados à extinção total, qual é a necessidade de falarmos em natalidade ou sustentabilidade?

Estamos confusos, e precisamos com urgência de regressar às origens.

A tecnologia criou sem dúvida, casas melhores, cidades melhores, objetos melhores, mas não criou, nem nunca criará, seres Humanos melhores, porque isso não se cria através do mecanicismo ou do evolucionismo, mas sim do mergulho e expansão da própria consciência.

Precisamos de um despertar coletivo, e não de sermos restringidos e limitados por uma sociedade que parece usar de uma máscara e perdida em si mesma e na sua superficialidade.

Já dizia Albert Einstein “quero conhecer os pensamentos de Deus, e o resto são pormenores.” Não que seja em Deus ou noutra figura mitológica que iremos encontrar as soluções desejadas, mas que tenhamos a coragem suficiente para sabermos de Nós mesmos, pois quem não encontra a paz de espírito dentro de si, dificilmente encontrará em qualquer outro poiso, seja ele carnal ou material.