A oficina de pirotecnia “Os Silvas” teve nela uma figura ímpar que contribuiu decisivamente para o prestígio e enorme fama de que muito justamente gozaram os fogos de Viana.

Refiro-me ao mestre pirotécnico José Passos da Silva, Zé da Rita, sobrinho legítimo de Carolina Silva, esposa de Manuel da Silva Júnior, o empresário que durante mais de 50 anos geriu “Os Silvas”.

Ora, o Manuel teve sempre a seu lado, como único responsável por toda a área técnica e artística, o referido sobrinho da esposa Carolina, o Zé da Rita, porque sua mãe era Rita. Isto aconteceu durante várias décadas, pois o Alberto Silva, também imperecível artista plástico, esteve afastado da Oficina Silva & Filhos durante um largo período.

José Passos da Silva, o maior fogueteiro português, não o podemos esquecer não só pela arte que imprimiu à pirotecnia Vianense cobiçada em todo o país, e no estrangeiro, mas também porque deixou geração que muito o honra e continua a honrar com os seus filhos.

A filha Rosa, casada com António Sá (já falecido), que foi diretor do Projeto nos ENVC, com geração. O filho Amândio, casado com Maria da Hora e com geração (este filho foi presidente do S.C. Vianense, várias vezes, tendo sido o organizador da programação do centenário do clube, em 1998). Também no Taurino além de presidente, assumiu a celebração do centenário.

Fez ainda parte dos órgãos sociais do Lar de Santa Teresa e foi vice-provedor da Santa Casa da Misericórdia. Sempre fez parte de grandes movimentos sociais da cidade e de invulgar intervenção política e cívica que bem merece ser lembrado como um homem de honra e mérito desta terra vianense. Alguém apareça a lembrar à edilidade vianense a necessidade de não ser esquecido, apesar da sua modéstia e, naturalmente, querer passar despercebido. Bem podiam reunir na sua pessoa todo o valor dos Silvas, que deram nome a Viana.

O terceiro filho, o José, entretanto falecido, foi Diretor Regional do Banco Nacional Ultramarino e CGD, casado com a Dra. Flora Silva, que se deu incondicionalmente à nossa terra como vereadora da Câmara Municipal, hoje presidente da Assembleia Municipal e com geração. E, a Olga, casada com Daniel Barreto, antigo Quadro da Portucel e com geração.
O tema fogos de Viana merece reflexão.

Amândio P. Silva