Elogiar a Lusofonia é politicamente correto. Fá-lo qualquer intelectual português de forma automática. Delira em dissertações sobre o Português em Timor Leste. Medita sobre a sobrevivência de vocábulos e apelidos portugueses na Malásia (Malaca). Estremece com a referência a goeses que ainda sabem algo da língua de Camões. Ainda se deleitará com placas toponímicas com apelidos portugueses no Sri Lanka (Ceilão )

(…)  Enchem-se páginas de fino recorte literário, como soe dizer-se, com dissertações sobre palavras soltas, almas, recordações lusitanas um pouco por toda a parte. Bonito, tudo isto. É História! É “chique”! Fica mesmo bem!! É uma cultura que “já deu quase tudo o que tinha a dar” (passe a vulgaridade), e que importa realçar. Afinal, ela até tem aspetos interessantes. (…)

(…)  Mas, por favor, não se fale de Olivença. Muito menos da recuperação, por locais, de valores culturais e linguísticos (caso de 73 topónimos) portugueses para “aquelas bandas”! E…uma Associação autóctone, já dissolvida (“Além Guadiana”, 2008-2019) incentivou a aquisição da nacionalidade portuguesa entre os locais (para além da promoção de tradições portuguesas em geral). E não param de aumentar os números de oliventinos com a nacionalidade portuguesa, já com direito a voto. Já são quase mil e quinhentos!  (…)     

A Câmara local, bem como a de Táliga, antiga aldeia de Olivença autonomizada em 1850, estão mesmo a envidar alguns esforços para salvar o que de português ainda subsiste na fala do dia-a-dia. E, na verdade, ainda há quem fale português. E algumas palavras parecem resistir ao mais intenso espanholismo!

Ainda se essas fossem algumas palavras em Ormuz, ou nas Ilhas Hawai, ou entre holandeses descendentes de portugueses. Em Olivença?

As elites não gostam de surpresas destas. Calam. Silenciam. Para que ninguém saiba.

Serão mesmo elites? Não, não são. Pensam que são. São gente acomodada ao “politicamente correto. Como dizia Zeca Afonso, “os eunucos devoram-se a si mesmos”. Grande Zeca, como tenho saudades tuas!!!

   Carlos Eduardo da Cruz Luna