Viana, com mais 11 cidades, é candidata a Capital Europeia da Cultura para o ano de 2027. Sobre este assunto as opiniões dividem-se. Há quem diga que é perder tempo e dinheiro; e quem afirme que devemos fazê-lo, porque somos uma cidade com características específicas, que nos dão esperanças de sairmos vencedores.

As candidaturas, seja qual for o motivo, não podem só ser feitas quando, por razões objetivamente reconhecidas, temos quase garantida a vitória. Se assim fosse, bem que o leque dos candidatos, neste e noutros casos, seria bem menor. Independentemente do resultado final, é importante identificar as vantagens que daqui advirão. E aí bem podemos admitir que as há, a começar na mobilização das forças vivas da cidade, dos agentes culturais e outros, terminando no levantamento minucioso do que temos, do que queremos e do que poderemos fazer, que tanta falta nos faz para o futuro.

Viana tem condições de marcar presença visível nesta candidatura? Claro que tem. Não dispomos de meios financeiros para poder apresentar investimentos grandiosos, mas temos o que ninguém tem. Temos a grandeza da beleza natural, quase impar no mundo; uma história rica na relação com os diversos continentes, através das rotas marítimas que sulcamos com prestígio; e uma monumentalidade, antiga e moderna, que se mostra em cada esquina da urbe, sendo a secular resultante da nossa relação comercial e cultural com os países longínquos. E, nesta relação com o universo, não poderá ser esquecida a existência de uma indústria naval saliente, que nos impôs como gente do mar, a que acrescentamos agora uma intensa prática nos desportos náuticos.

Mas Viana tem uma cultura própria e ímpar, que exibe como ninguém nas suas Festas. São milhares de atores que se mostram, revelando conhecimento, destreza e arte. Quem, como nós, é possuidor de uma riqueza cultural que não se esconde, antes se revela pujante nos seus saberes e nos seus talentos, quer na sua Romaria própria, quer nas muitas que se realizam um pouco por toda a parte do espaço vianês?

Não cabe neste pequeno espaço referir as imensas potencialidades de que somos detentores. Já está constituída uma Comissão Executiva para fazer levantamentos e programar ações. Devemos dar-lhe todo o apoio e acreditar no seu êxito, porque Viana pode não ter milhões de euros para exibir grandeza material, mas tem uma alma enorme, que advém do seu encanto, do seu passado intrépido e da sua dimensão cultural, com registos notáveis ao longo dos tempos.