É prática usarmos de suficiente pragmatismo nos assuntos que aqui se noticiam, particularmente quando estes são acompanhados de abordagens complementares. Nada se diz ou comenta sem conhecimento prévio e justificação fundada. Nesta casa não se aposta no diz-se ou no consta-se, apenas se informa e comenta o que não deixa margem para dúvidas. Por outro lado, quando a crítica se estabelece, procura-se que a mesma seja acompanhada de propostas no sentido de que o menos bem seja remediado. É o princípio basilar da informação responsável e construtiva. Se a censura se alicerça mal e se os assuntos são tratados com recurso a entendimentos pouco válidos, estamos a por em causa a boa arte de informar.

Desde há muito vimos alertando sobre o mau funcionamento dos CTT, fundamentalmente na entrega atempada do correio. No que nos toca, temos assinantes que chegam a receber o jornal na semana seguinte à da sua saída, quando este deve ser entregue à quinta feira de cada semana. Para tal, cada edição fica pronta ao princípio da tarde do dia anterior, de forma a que chegue ao leitor no dia estabelecido. Isso obriga-nos a um esforço suplementar, sem esquecer que, por vezes, ficamos impossibilitados de noticiar acontecimentos de última hora. 

Depois do cumprimento deste planeamento produtivo, é deprimente constatar que o jornal chega com dias de atraso às mãos de muitos assinantes. Para nós, preocupante não é o nosso esforço, mas antes o desrespeito que há para com os nossos leitores.  Não podemos dizer que foi sempre assim, porque o histórico prova o contrário. Mas não é isso que está a acontecer agora, sempre com tendências de agravamento. Vamos protestando, procurando serenar aqueles com quem temos compromissos, mas os resultados são praticamente nulos. Por vezes, fica a sensação de que algo vai melhorar, mas decorrido pouco tempo o mau serviço está de volta. E isto não acontece só connosco, porque nos chegam queixas diárias de todos os quadrantes da sociedade em relação a atrasos no correio.

A vida não estará facilitada para os CTT, já que a concorrência faz-se sentir, mas é nestas situações que as boas gestões se afirmam, sabendo encontrar as soluções próprias, de forma a que clientes não sejam defraudados. O correio é fundamental na vida das empresas e das pessoas. E nenhum país pode ter a pretensão de querer ser evoluído se nem sequer tem um serviço de correspondência que cumpra os mínimos. O assunto, a ser bem examinado, merecia outros comentários, mas, por agora, fica o alerta.