Até ao próximo dia 23 de novembro, Viana do Castelo e mais 11 cidades portuguesas vão submeter as respetivas candidaturas a Capital Europeia da Cultura 2027.

De norte a sul, e até às ilhas, a competição está em marcha e ao rubro, entre cidades e regiões. São elas: Aveiro, Braga, Coimbra, Évora, Faro, Funchal, Guarda, Leiria, Oeiras, Ponta Delgada, Viana do Castelo, Vila Real.

De uma primeira fase de avaliação resultarão 3 cidades selecionadas, a visitar pelo júri de seleção que, até final do próximo ano, anunciará a decisão sobre qual a cidade de Portugal que, em 2027, partilhará com uma cidade da Letónia, o estatuto de Capital Europeia da Cultura.

As linhas gerais e os protagonistas da candidatura promovida pela autarquia foram apresentados no passado dia 10 de setembro: “Viana, um Mar de Cultura” é o título da candidatura e três são as linhas gerais de desenvolvimento: Mar; Identidade; Letras, Artes, Artistas e Ofícios. Existem uma Comissão Executiva e uma Comissão Consultiva, identificados no respetivo site (www.vianamardecultura.org), que inclui uma área para inscrição de voluntariado e submissão de contributos.

A cidade selecionada acederá a avultados fundos europeus para a realização do certame (na ordem dos 25 milhões de euros de forma direta). Mas é sabido que, só podendo existir uma selecionada, todas as cidades candidatas podem passar por um processo de qualificação cultural que, independentemente da decisão final, é sempre positivo para cada uma.

Por isso, e já estando definida e lançada, aos agentes culturais do território cabe a união em torno desta candidatura. Essa é uma importante oportunidade que a candidatura “Viana, Um Mar de Cultura” oferece: a de colocar a Cultura na agenda pública da cidade. E se isso servir para as condições de produção e fruição artística e cultural da região melhorarem, já será uma vitória.