Para se comercializar um produto com sucesso, ou um serviço, é fundamental aplicar-lhe um nome chamativo. Neste sentido, VIANA corresponde, porque é um nome fácil de pronunciar e de memorizar, tanto pelo “português falante”, como por quem não domina a língua portuguesa.

Antes de existir a nação e o nome Portugal, já era conhecido o topónimo “VIANA da Foz do Rio Lima”, abreviado depois em Viana!

Chegou a ser o segundo porto mais importante do país. Mais tarde, o nome foi mudado para “Viana da província do Minho”, mas, novamente, abreviado e reconhecido por “Viana”.

No ano de 1844, os comandantes dos vários agrupamentos militares em Portugal combinaram uma intervenção militar para acabar com a monarquia. Na véspera desse último dia, o comandante do Forte de S. Tiago da Barra em Viana, foi a Lisboa encontrar-se com a rainha D. Maria II a quem declarou a sua fidelidade para com a rainha. Esta declaração foi o suficiente para travar o movimento contra a monarquia.

A rainha D. Maria II, em agradecimento, elevou a localidade de Viana para cidade, com o nome de “Viana do Castelo”, nome novamente abreviado para Viana. O termo “Castelo”, imposto por D. Maria II, era na intenção de lembrar sua relação com a monarquia.

Só que as traduções da palavra “castelo” em línguas estrangeiras como “castillo, kasteel, castelo, chateau etc., “significam” residência fortificada onde vive um rei ou um senhor fidalgo. Isso nunca aconteceu em Viana, porque esse seu forte militar encontra-se junto à foz do rio Lima, zona de fácil e frequente visita por parte de piratas estrangeiros, portanto nunca escolhido como lugar seguro pelos regentes nobres portugueses.
Dos turistas que visitam Viana, não falta quem pretenda visitar o tal castelo, mas, de castelo, só tem o nome.

Há tempos, publiquei neste famoso e centenário periódico, “A Aurora do Lima” uma lista, “creio” de nada menos de duas dezenas de nomes de sociedades e associações de produtos e serviços com termos ”Viana”, “vianense” e, até, um deles utilizando a palavra ”vianesa”.

Apesar do orgulho justificado pelo seu topónimo, desde há um milénio, os vianenses deixaram de usar este prestígio.

Atualmente, quando se sai do Porto para Viana, pela A-28, fica-se envergonhado pelas 20 a 24 placas rodoviárias, em que a palavra Viana figura abreviada!…”. Como é que, deste modo, se pretende promover o Turismo nesta cidade, apresentando-se seu nome com um simples “V. ou V.na do Castelo quando temos o excecional nome – Viana.

Para realização da rede de auto-estradas em Portugal, a U.E. contribuiu com milhões de euros. Será que a administração em Portugal não soube separar uns “euritos” para pintar 5 (cinco) letras do nome “VIANA” em vez de só uma letra (”V.”), ou pior (V.na do Castelo)!?

Portugal é um país cheio de boas oportunidades, mas sem as saber aproveitar.

Pela manhã, enquanto as pessoas tomam o pequeno-almoço ou tratam da sua toilette, muitos gostam de ver a previsão da meteorologia. Qual o desgosto de ser confrontado em alguns canais televisivos, com a primeira indicação a nível nacional, a triste abreviação “V. do Castelo”.

Se o turista decide consultar um dicionário de português para saber a que corresponde a abreviação “V” encontra como primeiras palavras “vaca”, “vadio, vagabundo, vago” e outros nomes que não estimulam os turistas a visitar o tal “V”, de não sei de quê!

Diariamente, a TV da Galiza emite previsões de meteorologia corretas, acompanhadas de mapas incluindo as cidades portuguesas como Viana do Castelo, Braga, Bragança.

Convidando-nos a ver preferencialmente a TV da Galiza.

É tempo, e urgente para quem nos visita que seja restabelecido o nome de VIANA em substituição do inimaginável “V”.

Se a administração das auto-estradas – concretamente as “Infra-estruturas de Portugal”, não repõe urgentemente o nome de VIANA, uma queixa deveria ser entregue às autoridades da U.E. referente aos milhões de euros recebidos e mal aplicados por certas entidades de Portugal.

A previsão da meteorologia de algum canal televisivo também tem que adaptar o nome de “VIANA” a uma capital de distrito que não se confunda com a longínqua e menos habitada Viana do Alentejo

Viana do Castelo merece respeito pelo seu fabuloso nome milenar, e não só.
VIANA, SEMPRE.

Louis Stevens