Vem o Lima suave, lá do monte, Descendo entre vergéis de verde manto, À espera de lograr o doce pranto Das lágrimas, choradas pela Ponte, Que, caindo da reluzente fonte, Semelham quentes pérolas de encanto Por ouvirem o aplauso e ledo espanto De quem vê colorido o horizonte! E o Lima, ao sentir lágrimas quentes […]
Para ler a restante notícia, deverá ser assinante do Aurora do Lima. Subscreva uma das assinaturas para ter acesso às anteriores edições do Aurora do Lima. Faça Log in ou assina já.