A morte chegou, negra, ao chão desses montes. A vida que dantes neles fervilhou, Jaz, agora, em cinzas, entre sopros quentes E loucos gemidos, que o vento deixou. Montes de outras eras, templos de harmonia, Vestidos de verde e de cores bravias, Hoje, estão de lutos, em dor e agonia Envoltos em fumo e sombras […]
Para ler a restante notícia, deverá ser assinante do Aurora do Lima. Subscreva uma das assinaturas para ter acesso às anteriores edições do Aurora do Lima. Faça Log in ou assina já.