Cravo de Abril, seco murchado,
Que fizeram de ti, flor da liberdade
Durante 45 anos da tua linda idade?
Hoje, não passas dum ser abandonado.

Aqueles que te mostravam, no seu peito
Cravo lindo, aberto, com vida, florido,
Hoje mafiosos, de coração vendido,
Corruptos, traficantes de qualquer jeito.

Cravo de Abril! Ouço o teu choro de revolta,
Ao fim deste tempo, de fé, de esperança,
Num País livre, democrático, próspero, à solta.

Passados 45 anos , creio que tive um sonho
De ser um homem livre, num País de bonança
E que acordei, triste, num pesadelo medonho.