Hoje, nos campos agrícolas, que ainda restam neste Vale do Neiva, quase não se veem os pardais e as lavandiscas, outrora anunciadores, ao clarear de cada dia de primavera, com o seu característico canto, que mais não era, que um piar alegre, em cada manhã que raiava. Recordo, ainda, que na minha infância vivida no […]
Para ler a restante notícia, deverá ser assinante do Aurora do Lima. Subscreva uma das assinaturas para ter acesso às anteriores edições do Aurora do Lima. Faça Log in ou assina já.