Era comum ouvir dizer que já não haviam bailes como antigamente. Que era de loucos insistir na realização de tais eventos e por aí adiante. Continuava o cortejo da desmotivação contra aqueles que teimavam em não deixar morrer aquilo que foi no passado o ex-libris das Sociedades de Instrução e Recreio, os bailaricos. Felizmente que […]
Para ler a restante notícia, deverá ser assinante do Aurora do Lima. Subscreva uma das assinaturas para ter acesso às anteriores edições do Aurora do Lima. Faça Log in ou assina já.